ARQUIVO
Notícias
 

C.M. da Figueira da Foz quebra protocolo com a Corpo de Hoje
há 448 semanas

A Câmara Municipal da Figueira da Foz quebrou o protocolo com a Corpo de Hoje - Associação Cultural. Trabalhadores da associação ficam sem acesso aos seus materiais de trabalho e os alunos sem espaço para as aulas. Em comunicado, a Corpo de Hoje, descreve o comportamento abusivo e despótico por parte do executivo camarário. Para além do comunicado de imprensa, partilhamos a petição "APELO A FAVOR DA CONTINUIDADE DO PROTOCOLO ENTRE A CÂMARA MUNICIPAL DA FIGUEIRA DA FOZ E A CORPO DE HOJE – ASSOCIAÇÃO CULTURAL NO CAE (CENTRO DE ARTES E ESPECTÁCULOS)".

Comunicado de imprensa:

"A coreógrafa Ana Borges foi convidada pelo Vereador da Cultura da Autarquia da Figueira da Foz, Dr. António Tavares, quando ela residia em Tavira onde desenvolvia o projecto da Corpo de Hoje – associação cultural, de que é a representante legal e directora artística. A razão desse convite seria no sentido de coordenação da Escola de Artes do CAE – Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz, a residência de companhia de dança e Direcção artística do CAE. Após vários recuos da Autarquia e em virtude de Ana Borges ser coreógrafa independente, o convite acabou por derivar na colaboração na direcção artística, quando solicitada, a criação de um programa de residências de criação artística e a coordenação da área dança e cruzamentos disciplinares da Escola de Artes do CAE, dado que afinal já existia a área música entregue a outra associação.

Assinou-se um protocolo com data de 21 de Setembro 2011 em que a Autarquia cedeu o espaço no CAE e Quinta das Olaias à Corpo de Hoje para desempenho destas funções e estadia de Ana Borges e artistas em residência. De Setembro 2011 a Junho 2013 a Escola de Artes do CAE passou de 30 alunos, a 138. Atualmente, apesar do corte das Áreas Artísticas, como Teatro, Artes Plásticas e Experimentação Sonora feito pelo Vereador da Cultura (também actual Vice- presidente) apenas a alguns dias do início do ano lectivo começar e com a divulgação já na rua com MUPIS e Outdoor, apesar de alguns alunos(as) terem mudado de cidade, apesar de a Autarquia da Figueira da Foz não ter até à data impresso os flyers de divulgação da Escola de Artes e apesar de ainda não ter corrigido a divulgação já afixada, existem 50 alunos(as) inscritos(as), com 70 inscrições nas diversas oficinas regulares de Dança.


A corpodehoje, de setembro de 2011 a setembro 2013,além das oficinas regulares artísticas, realizou dezenas de oficinas pontuais com a comunidade, apresentou inúmeros ensaios abertos, “SEM REDE”, à comunidade resultantes das residências com artistas em criação; realizou 2 CICLOS DE DANÇA; criou e apresentou “Pickles de Chocolate” - Projecto de inclusão pela dança com a participação de 12 jovens figueirenses e 4 Tavirenses (elenco original do projecto), entre outras actividades artístico-culturais. 

O Sr. Vice presidente informou por carta de 12 de novembro de 2013, que pretendia proceder à resolução do protocolo, de forma manifestamente ilegal, e com expulsão da corpodehoje em 5 dias úteis, mesmo depois de o ano letivo ter começado e mesmo depois de o protocolo se ter renovado em 21 de Setembro de 2013! A corpodehoje respondeu informando que procederia a providência cautelar rejeitando o teor da carta que em nada corresponde à verdade. A Autarquia procedeu á mudança de fechaduras das áreas cedidas à corpodehoje. Se por acaso Ana Borges não estivesse em casa no momento em que lhe abriram a porta de casa, teria ficado sem acesso aos seus bens. É de referir que vive na casa com o seu filho de 5 anos. Ana Borges chamou a P. S. P. e apresentou denúncia na Polícia e fê-lo também relativamente ao impedimento que o CAE fez não lhe cedendo acesso ao espaço onde trabalha. Inclusive a Autarquia procedeu á troca de fechadura do gabinete onde a corpodehoje trabalha diariamente com os seus bens no interior.

É de referir que a autarquia está em falta de pagamento para com a Corpo de Hoje desde março 2013 num valor acima de 8.000,00€, nunca entregou as dez bolsas anuais para alunos em carência financeira, tendo a corpo de hoje de suportar os custos, nunca tendo negado o acesso a ninguém por falta de pagamento.

A autarquia por várias vezes deixou a coreógrafa sem gás na casa que lhe é cedida, sem explicação e sem pressas na resolução da situação. O mesmo aconteceu a artistas em residência artística pontual.

A coreógrafa além de cumprir as suas funções profissionais, tem zelado com dedicação à manutenção do edifício que lhe é cedido para habitação, património edificado classificado, fazendo vários pedidos de limpeza das caleiras, arranjo de tectos caídos e embora em algumas situações a autarquia tenha agido, neste momento há um tecto por ter obras, água a cair dentro do edifício sem que haja resposta aos pedidos de conserto.

São 7 profissionais das áreas artísticas envolvidos, nas oficinas regulares, 3 que ficaram sem trabalho dado o corte do Sr. Vereador e 4 actualmente sem acesso ao espaço de trabalho. Além destes profissionais estão 10/15 profissionais das artes do espectáculo envolvidos,  que colaboram pontualmente com a Corpo de Hoje em diferentes actividades de formação e apresentação de espectáculos."

Pela corpodehoje

Ana Borges

[direcção artística]